Arquivo da categoria: Trips

Diário do Ashram – Dia 10

18.12 – Sexta-feira

O dia começou cedo já que quem iria pra fazenda ainda tinha que levar as bagagens antes de começar a trabalhar. Nós levantamos cedo também (eu e Nina), sem necessidade já que não precisar usar meu carro. Mas já que estávamos lá decidimos aproveitar nossas últimas horas no ashram. Aproveitei pra fazer uns vídeos e fotos pois nos outros dias não quis nem pegar a câmera. Terminei de ler um livro wicca que achei na biblioteca e tava lendo desde que cheguei lá. Achei um livro de bordados, tricôs e afins e aprendi um ponto macramê, fiz uma pulseira com umas lãs coloridas que achei por lá e dei de presente pra Francesca.

IMG_5759

Íamos almoçar lá no ashram mesmo mas mudamos de idéia e resolvemos ir embora pra comermos em Gosford enquanto esperávamos o trem da Akane que estava indo lá pra casa. Ela chegou e partimos pra Sydney.

Já em casa, eu Nina e Akane, esperamos Léa que tinha ido aproveitar o último dia em Sydney. Ela chegou, logo o Dani também e então fomos todos pra city. Deixamos Nina na casa da amiga dela, Léa na estação de trem e levamos Akane pra conhecer a cidade. Durante a noite a city fica linda, principalmente a Darling Harbour.

 

***

Akane ficou aqui em casa por quatro noites. Tentamos mostrar o máximo possível pra ela. Voltei com ela pra city durante o dia e no fim de semana o Dani foi conosco passear pelas praias, de norte a sul de Sydney 🙂

Nos dias que ela ficou aqui cozinhou comidas japonesas pra nós, uma delícia! Fez uns pratos do dia-a-dia dos japoneses, como se fosse nosso arroz com feijão. E eu fiz brigadeiro pra ela, claro 😛 já aproveitei e fiz pra Nina também pq ela veio fazer uns passeios com a gente no outro dia. No domingo levamos ela num restaurante brasileiro (um café na real) pra ela experimentar os quitutes brazucas, ela adorou o pastel haha. Akane foi embora na terça bem cedinho, combinamos de nos reencontrarmos em Tóquio ou em Curitiba, veremos onde vai ser primeiro hehe.

IMG_6047 IMG_6053

Alguns dias depois eu e o Dani estávamos indo acampar e no mesmo dia que estávamos pegando a estrada, Francesca e o Dom chegaram aqui em Sydney. Fomos almoçar com eles em Newtown num restaurante maravilhoso. Vegetariano e vegano, funciona assim, você paga o quanto pode, tem uma lista com alguns valores de guia e o que dá pra cobrir com cada valor, por exemplo, $5 ajuda no custo do alimento, $10 paga o valor da refeição e algumas despesas, $20 cobre o custo da refeição e ainda ajuda a pagar uma outra refeição pra quem não tem grana (não lembro os valores certos tá, são só exemplos). Se você não tem dinheiro pode voluntariar umas horas de trabalho e ajudar a servir/limpar/cozinhar. Bacana né? O restaurante chama Lentil As Anything e vale super a pena comer lá! Claro que a Francesca fez um vídeo sobre esse lugar também né hehe, dá uma olhada aqui. Adivinha o que eu levei pra sobremesa? Sim hahaha, brigadeiros!

IMG_6096 IMG_6097

Quando voltamos de viagem ainda recebemos Bella aqui em casa, uma das alemãs, e dá-lhe mais comida típica haha, dessa vez foi Kasespatzle, que é uma massinha cozida (tipo gnocci mas são pedacinhos bem menores e irregulares) com um molho de queijo, uma delícia também, claro. E mais uma vez eles, os brigadeiros. Não, não canso de fazer haha.

IMG_6165

Agora acabaram as visitas, viagens e trabalhos em fazendas, ainda não sei o que vou fazer da vida mas deixo as coisas acontecerem conforme tem de acontecer. Até o próximo diário 😀

Hari om tat sat _/\_

Outros posts sobre o ashram:

Obrigada pela visita pessoal 😀

M.

Diário do Ashram – Dia 9

17.12 – Quinta-feira

Loooonnngoooo dia. Começou cedo, 5:30 já estava de pé. Um rápido café e já saímos pra fazenda. Dia de colheita. Passamos a manhã colhendo folhas, abobrinha, tomate e milho. Lavamos e separamos em caixas que viriam pro ashram e as que vão pra feira. Depois do trabalho ainda tive uma “reunião de negócios” com Ian haha.

Olha só como são as coisas, quando eu larguei o emprego muita gente me criticou, ainda que não na minha cara mas sei só pelo modo que se “preocupam” comigo. Enfim, algumas pessoas me perguntaram: e agora, o que você vai fazer? Já tem outro emprego em vista? Como vai pagar as contas? E por aí vai. Elas ficavam ainda mais incrédulas quando minhas respostas pra todas essas perguntas era “não sei” hahaha. Eis que por algum motivo, que até então não pude explicar, gostei do post da fazenda do Greg (a de flores) no site do wwoof e resolvi ir pra lá. Queria aprender sobre o cultivo de plantas, a vida no interior, conhecer a rotina de uma família local, os costumes, etc. Mal sabia eu que tinha um propósito muito maior nessa escolha. Além de ter aprendido tudo isso e muito mais pudemos discutir uma idéia bacana que ele teve que precisa ser desenvolvida. Planejamos alguns pontos e vou me dedicar ao design do projeto no ano que vem. Eu entro com a parte do design e fabricação e ele com a parte literária da idéia (ele escreve artigos relacionados a agricultura e quer escrever um livro sobre o básico da permacultura). Num momento em que eu queria descansar minha mente e decidir se queria ou não trocar de área profissional a vida vem e me joga idéias na cara haha, de graça. Bom, claro que não totalmente de graça pois já fiz muita coisa por muitos anos pra que essa oportunidade fosse possível.

Voltando ao Ian, ele é australiano e o responsável pela fazenda orgânica lá do ashram. Assim como o Greg, ele tem muito conhecimento e uma hora de conversa rende muito aprendizado. Calhou que dentre tantos ashrams, templos, centros de meditação e sei lá mais o quê que pesquisei, vim parar justo nesse aqui, onde o Ian fica e onde ele tem projetos maravilhosos que posso participar um tiquinho. Conversando com ele ontem descobri que ele fez algo parecido com a peça que eu e Greg falamos a respeito, a do Ian é uma adaptação com o material que ele tinha lá, mas já deu pra ver que a idéia é válida. Ele vai usar isso nos cursos que vai ministrar durante o ano lá na fazenda. E adivinha? mais uma oportunidade de cooperação. Eu com o desenvolvimento da peça, Greg escreve o manual e como usar o produto de forma eficiente e Ian faz a demonstração nos cursos dele. Um faz a propaganda do outro trabalhando em conjunto. Perfeito não?

IMG_5999

Tem um passarinho ali ó 🙂

Voltando ao ashram, literalmente, almoçamos, descansamos um pouco e mais trabalho. Mais uma vez na manutenção e tivemos que arrancar matinhos em torno da tubulação dos tanques d’água e limpa-los por fora, aqui também usam a água da chuva. No fim do dia estávamos derretendo de calor e fomos pro rio, claro.

Tivemos um jantar delícia feito por Francesca e Dom, macarrão claro 😛 Depois da limpeza da cozinha ainda fui dar uma entrevista pro projeto dela contando uma história de comida hehe. Foi bem interessante. [veja o vídeo da entrevista aqui]

Agora de volta ao dormitório é hora de arrumar a mala :/ Todos estão arrumando na verdade, os voluntários que vão ficar aqui por mais tempo terão que acampar lá na fazenda pois o ashram estará fechado completamente a partir de amanhã. Acho que será divertido pra quem ficar. Bom, vou arrumar minha mala então 😉

Hari om tat sat _/\_

Outros posts sobre o ashram:

Obrigada pela visita pessoal 😀

M.

Diário do Ashram – Dia 8

16.12 – Quarta-feira

Hoje faz uma semana que cheguei aqui no ashram 😀

Hoje também foi a festa de fim de ano dos residentes. Saímos daqui após o café da manhã e fomos pra WoyWoy. Éramos 43 pessoas no barco que fez um cruise nas Brisbane Waters que é uma continuação da baía (sim, confirmei essa informação com alguém aqui hahaha). O passeio durou mais ou menos uma hora e mesmo com uma chuva fina foi bem lindo de ver a paisagem. Voltando pra terra firme fomos preparar nosso picnic, bem ao lado da água. Em Brisbane Waters tem uma pequena ilha que é uma reserva de pelicanos então é cheio deles ali pelas áreas de picnic, o tempo todo.

O tempo continuou fechado pelo resto do dia mas mesmo assim fomos à praia e alguns, incluindo eu, entraram na água 😛 Estava u pouco frio e chovia mas a água do mar estava agradável. Mas ficamos só por uns 20 minutos e o salva vidas nos pediu pra sair por conta dos raios que estavam caindo a uma distância razoável dali haha.

Voltando ao ashram, jantamos, papeamos e já era hora de dormir. Amanhã vou pra fazenda e começamos mais cedo pra voltar mais cedo também. Ás 6 horas é o café da manhã.

IMG_5760

Ahh, hoje papeei com Verina, uma australiana de Adelaide que mora em Perth e trabalhava na marinha, com submarinos (!!!) Divertido não?! Bom, ela disse que em partes era legal mas depois de uns anos perde o encanto pra alguns e ela perdeu. Resolveu viajar antes de começar o curso de agronomia na universidade. Falei com a Bella hoje também, não sei se mencionei ela antes mas ela é alemã, terminou os estudos (ensino médio) recentemente e está viajando antes de começar a universidade também, ela que ser professora. Falando em professora, acho que não falei quase nada da Georgia, ela é australiana de Newcastle – pertinho de Sydney, e é professora de educação física de crianças especiais (com deficiências mentais), achei lindo ❤ . Falando também em alemães, chegaram mais duas hoje hehe. Eu tinha dito que o ashram já estava fechado para as festas de fim de ano e não receberia novos voluntários mas aparentemente elas já haviam reservado antes. Julia acabou de terminar o ensino médio também e assim como Bella e tantos outro europeus resolveu viajar antes de começar a universidade. A Laura, chegou junto com o Alex, um sueco. Eles se conheceram aqui no ashram algumas semanas atrás e foram para outros lugares juntos, não acharam nenhum lugar pra hoje então resolveram voltar pra cá. Não conversei muito com eles então não sei das histórias de cada um.

Bom, o dia começa cedo amanhã então chega por hoje. Boa noite!

Hari om tat sat _/\_

Outros posts sobre o ashram:

Obrigada pela visita pessoal 😀

M.

Diário do Ashram – Dia 7

15.12 – Terça-feira

Dia cheio hoje. De manhã, no Karma Yoga arrumei as salas de yoga, basicamente dobrar as mantas direito já que cada um dobra de um jeito e aí parece que tá bagunçado. Além das salas ainda limpei as escadas. Pausa pra reunião. Fomos convidados a participar do picnic de fim de ano dos residentes yeyyy \o/. Será amanhã. Depois do café vamos até WoyWoy, acho que mais ou menos uma hora daqui, lá pegamos um ferry pra dar um role pela baía (acho que é uma baía), paramos num parque fazemos o picnic e então vamos à praia. Essa é a festa de fim de ano deles.

O resto da manhã trabalhei na cozinha picando legumes, amassando banana para os pães do picnic (banana bread), limpando e organizando cozinha. Logo após o almoço fomos assistir um vídeo que a Francesca fez durante o tempo que passou aqui. Como disse antes ela é designer de alimentos e trabalha numa pesquisa a respeito de alimentos que tem significado para as pessoas. Aqui no ashram foi um ótimo lugar pra ela dar continuidade ao projeto já que os alimentos tem muito significado pra todos por aqui. O vídeo ficou maravilhoso! Com ensinamentos preciosos nas entrevistas e lindas imagens ela conseguiu passar uma visão diferente do ashram, um algo a mais do que alguém mostraria daqui, você quase que pode sentir como é a vibe lá [clique aqui pra ver o vídeo]. Deu até uma dorzinha de saber que daqui a pouco tô indo embora.

Almoço

Almoço

Depois de assistirmos ao vídeo já emendamos a Yoga Nidra pra tirar um cochilo haha. Chá da tarde e volta ao trabalho. Durante a tarde trabalhei na manutenção de novo. Dessa vez limpamos uma área que fica atrás da cozinha. Mais uma vez varrendo folhas secas e arrancando ervas daninhas. O sol estava quente demais e assim que terminamos fomos direto pro rio pra refrescar. Janta delícia e fim do dia.

Liguei pro Dani e Léa já estava lá em casa, aliás, nem comentei que ela foi embora hoje cedo. Ela, Scarlet e Sophie que não entendi muito bem o que tinha acontecido já que ela tinha recém chego aqui. Então, aí Léa não conseguiu outro host pra ficar até ir pra Melbourne então ofereci pra ela ir lá pra casa, assim ela não deixa de conhecer Sydney também.

IMG_5760

Agora enquanto escrevo alguém está tocando um harmonium e cantando um mantra aqui no dormitório. Fui ver se conseguia achar e filmar mas a porta e janela estavam fechadas e não sei nem quem é que dorme nesse quarto. Vou aproveitar a melodia pra dormir hehe.

Hari om tat sat _/\_

P.S. Pessoal, desculpa pelo intervalo que fiquei sem postar o diário, era pra ser em sequência, mas é que me mudei esse fim de semana e tava tudo uma bagunça, nem internet eu tenho ainda haha tô postando do celular 😛

Outros posts sobre o ashram:

Obrigada pela visita pessoal 😀

M.

Diário do Ashram – Dia 6

14.12 – Segunda-feira

O ashram amanheceu tranquilo hoje. Os visitantes se foram e alguns residentes também. Devem ter ido visitar a família e passar natal e ano novo com alguém. A partir de hoje o ashram tá fechado para as férias. Não tem mais aulas ou sessões de yoga até janeiro. Porém, o ano novo é comemorado aqui em grande estilo e é um super evento. Quem tá aqui voluntariando pode ficar, só não pode chegar ninguém nesse meio tempo. Como agora não tem mais a programação de yoga o tempo livre aumentou e podemos usufruir da estrutura do ashram mas sem instrutor.

Pela manhã trabalhei na fazenda. Foi dia de colheita de saladas e vegetais. A fazenda é pequena em termos comerciais então o alimento cultivado lá basicamente vem pro ashram, serve como moeda de troca entre as fazendas vizinhas e outro tanto é vendido em feiras de orgânicos. Ah sim, esqueci de dizer antes, é tudo orgânico lá. O lixo orgânico da cozinha vai pra compostagem e volta pra fazenda ou pra horta que tem aqui no ashram.

A Francesca estava na cozinha hoje e fez uma receita da mamma dela. Chama Polpette di Riso di mamma Simonetta, uma delícia! É como se fosse um bolinho achatado feito de arroz com queijo e assado no forno (parece que originalmente tem recheio de frango também mas como tudo lá é vegetariano – inclusive ela – esse foi só de queijo). Pra acompanhar, um molho vermelho com rodelas de abobrinha, cenouras cozidas com queijo branco despedaçado e salada verde. Tudo maravilhoso. Lembrando que ela é italiana!! hehe

Hoje está bem quente por aqui então foi bem cansativo trabalhar na fazenda. Ainda bem que tive a tarde livre e deu pra relaxar bastante 🙂

Estava vagando pelo ashram e vi que colocaram uma slackline lá na frente e fui tentar a sorte (é aquela fita que prende em duas árvores e a galera anda em cima). Claro que não consegui nem subir né! haha. Sentei e continuei minha leitura até que Georgia chegou lá e me ensinou. Consegui andar o caminho todo, segurando a mão dela claro! Curti!

IMG_5977

Léa, uma francesa, tá indo embora amanhã e não tinha conseguido lugar pra ficar até ir pra Melbourne. Oferecei pra ela ficar lá em casa, uns três dias. Assim pelo menos ela não perde a chance de conhecer Sydney. Talvez mais duas meninas ainda fiquem lá em casa por uns dias, mas aí elas vão comigo na sexta. E an volta pra casa ainda passo na estação de trem pra pegar a Akane, a japonesa que conheci lá na fazenda de flores. A casa vai estar cheia no fim de semana 🙂

IMG_5973

Hari om tat sat _/\_

Outros posts sobre o ashram:

Obrigada pela visita pessoal 😀

M.

Diário do Ashram – Dia 5

13.12 – Domingo

Dia da tal da festa da água salgada haha.

[Esse relato conta como foi a prática de limpeza do sistema digestivo, como você pode imaginar não é nada fofo haha. Se não quiser saber pule pro texto depois da foto 😉 ]

A primeira prática achei difícil pois não conseguia beber um copão daquele tamanho de uma só vez. De água morna e salgada ainda! Então, foi assim, cheguei lá na sala e já tinham algumas pessoas meditando. meditei por uns cinco minutos só e já começou a distribuição dos copos. Gigantes os copos diga-se de passagem. Funciona assim, você bebe um copo e faz cinco asanas (poses de yoga) diferentes, bebe mais um copo e repete as asanas, e assim vai por uns 4 ciclos. As asanas têm que ser feitas de modo dinâmico, oito repetições cada, assim você faz uma massagem interna no sistema digestivo. É bem desconfortável faze-las com o estômago cheio de água e o gosto salgado na boca dá um pouco de nauseas, mas nada torturante. É um pouco nojento também pois a partir do segundo copo o corpo começa a reagir á massagem e arrotos são ouvidos a todo tempo hahaha. Depois disso você vai ao banheiro e fica lá meditando até a massagem fazer efeito hahaha. Se nada acontecer não tem problema, uma hora vai funcionar hahaha. A segunda prática é mais fácil, por incrível que pareça. Na parte externa dessa vez (ao lado de um riozinho haha) você agora recebe uma JARRA!!! da mesma água e bebe o quanto conseguir. Uma hora seu estômago não vai aguentar mais e vai jogar tudo pra fora. Ela chama isso de prática do elefante ou chafariz hahahaha. A próxima é mais fácil ainda. Agora você recebe uma espécie de mini chaleira (neti) então coloca o bico dela dentro de uma narina, vira a cabeça e deixa a água escorrer de uma narina para a outra. Isso vai limpar todo o muco que você tiver e você passa a respirar muito melhor. Mas um exercício de respiração é feito pra secar o canal nasal e então em outra sala, em silêncio, você deita em savasana e relaxa por uns 20 minutos.

Essas práticas além de limparem o sistema digestivo e mucos também traz emoções á tona e algumas pessoas podem se sentir pra baixo por algumas horas. Eu depois de finalmente ter concluído a primeira prática que acabou demorando um pouquinho, me senti ótima! Estou feliz e calma. Minha colega de quarto passou umas 2 horas chorando, tristinha, mas passou e está melhor agora. É interessante ver os diferentes efeitos que a prática tem em cada um.

Essa é uma página do guia que rebemos

Essa é uma página do guia que rebemos

IMG_6582

O Dani veio aqui pela manhã pra me visitar, aproveitando que eu estava de folga. Ele está gripado então não conseguiu aproveitar muito as sessões de yoga mas foi legal pra conhecer. Depois do almoço ele foi embora e eu fui trabalhar na limpeza. Dessa vez fiz par com a Sophie, uma holandesa que chegou na sexta. Ela acabou dese formar em Design de Produto (com ênfase em elétrica/eletrônica) e vai viajar por uns sete meses antes de voltar pra fazer pós.

Sabe, esse tipo de experiência, que nos permite conhecer gente de todo canto do mundo, é uma das coisas mais incríveis de viajar. Conhecer outras culturas, costumes, línguas. Algumas coisas no outro a gente ama e outras a gente detesta mas no fim é lindo ver essa diversidade e como somos tão diferentes e tão iguais ao mesmo tempo. Estou muito feliz com de estar aqui e conhecer essas pessoas. É uma experiência que vai ficar pra sempre na minha memória ❤

_DSC0042

Hari om tat sat _/\_

Outros posts sobre o ashram:

Obrigada pela visita pessoal 😀

M.

Diário do Ashram – Dia 4

12.12 – Sábado

Manhã de folga!

Resolvi conhecer a tal da caverna que tem no topo da montanha. É uma caminhada de uns 30 minutos, super inclinada e cansa pra caramba. No meio do mato mesmo, daquelas que você tem que se agarrar pelos galhos e pedras haha. A trilha é tão selvagem, comparada com as dos parques nacionais aqui da Austrália, que pra não sair dela tem que procurar as plaquinhas (geralmente as trilhas aqui são bem definidas, até com escada e corrimão nos lugares mais frequentados).

IMG_5961IMG_5963

Agora tô aqui no topo, olhando o rio láááá embaixo e pensando o quanto vai ser difícil descer 😛

IMG_5964

A tarde vou trabalhar na cozinha e à noite tem Kirtan de novo. O ashram fica cheio de visitantes nos fins de semana. São pessoas que vem pra um evento especial ou só pra um retiro pessoal mesmo. Alguns vieram pro Hatha Yoga Cleanse que é aquela limpeza da água salgada que vai rolar amanhã, e outros vem só pra conhecer, trabalhar na fazenda ou relaxar também né hehe.

Esses programas de fim de semana são pagos e os preços variam de acordo com a acomodação, acho que o valor mais em conta é de $80 pelos 3 dias (esse pacote te permite participar das aulas e inclui acomodação e alimentação mas você deve trabalhar no período da manhã no sábado e domingo, se não me engano na sexta não trabalha – até porque seria o dia da chegada). Mas os voluntários e residentes não precisam pagar nada pra participar desses eventos especiais.

IMG_5962

O jantar de hoje foi delicioso, meu favorito até agora (pena que não estava com o celular pra tirar foto na hora). “Hamburguer” de cenoura, beterraba e abobrinha raladas, misturado com farinha de grão-de-bico e temperos, gergelim no topo e assados no forno. Servidos com um molho de iogurte batico com folhinhas de hortelã, cuscus com salsinha e passas e salada de kale (um tipo de couve mais escura) com queijo fetta. Tudo muito saboroso e nutritivo.

Após o Kirtan todos seguiram pros seus quartos e foi o fim de mais um dia. Até amanhã 🙂

Hari om tat sat _/\_

Outros posts sobre o ashram:

Obrigada pela visita pessoal 😀

M.

%d blogueiros gostam disto: