Arquivo da tag: diário

Diário do Ashram – Dia 3

11.12 – Sexta-feira

Hoje a preguiça bateu e não fui na yoga da manhã. Levantei a tempo pro café e me surpreendi com o que foi servido: arroz doce! haha. Acho que é coisa de asiático isso, não sei. Enfim, era arroz integral e não era tão doce quanto o brasileiro (muito provavelmente não usam leite condensado). Pra acompanhar tinham nectarinas cortadas ao meio assadas com nozes, açúcar mascavo e canela no buraco da semente. Uma delícia!

Como hoje fui pra fazenda não fiz o Karma Yoga. Passei a manhã toda arrancando ervas daninhas e papeando com a galera que foi pra lá também. Hoje o Will (aquele que a esposa e filhos estavam visitando) me contou mais da história dele e de como veio parar aqui como residente. Basicamente o que aconteceu foi que ele tinha um emprego de Chef, com um bom salário e ótimas perspectivas de vida. Tudo estável, menos a mente e espírito. Ficou depressivo. Quando já estava num momento em que a esposa já não sabia mais o que fazer pra ajuda-lo, ela que até então nunca foi religiosa, sentiu dentro dela que ele deveria vir pra cá. Ela não sabia nada a respeito do Ashram, só viu uma placa certa vez quando passaram de carro aqui por perto. Ela então ligou aqui, contou o que estava acontecendo e fez as malas dele. Ele veio, se curou da depressão e agora vive em paz. Isso foi há uns 3 anos atrás mas ele está morando aqui definitivamente há 3 meses só. Hoje Amy e os meninos voltaram pra casa mas logo voltam pras festas de fim de ano. Vão vender a casa e fazer voluntariado pelo mundo, os cinco  ❤ Ano que vem vão pra Costa Rica e vão ficar um tempo pela América Central, talvez desçam para o Brasil.

Em falar em histórias motivadoras, conversei mais com a Francesca hoje, a italiana. A história deles é parecida. Dom cansou do emprego estável que pagava bem e esperou quase um ano até ela também estar pronta pra que largassem tudo. Venderam tudo que tinham e seguem viajando e voluntariando. Tudo que eles possuem hoje de bens materiais está nas mochilas que carregam e uma única caixa com documentos e fotos na casa da mãe dela. Eles são de Venice [que eu achei que fosse algum lugar qualquer na Itália até que descobri que era Veneza hahaha] e ela me ofereceu hospedagem na casa dos pais dela e um tour especial se ela estiver por lá, maravilhoso não?! ❤

_DSC0028

Voltando ao ashram depois do almoço trabalhei na cozinha. Nada de muito diferente exceto pelo tamanho das panelas, fogão e utensílios hahaha. Não cheguei a cozinhar, só ajudar no preparo e limpar, claro. Como a equipe que está na cozinha tem que preparar tudo a tempo dos outros grupos chegarem pra refeição, não podemos todos parar pra ir para as sessões de yoga então vão uma ou duas pessoas em cada uma das duas atividades. eu fui na das 4pm que só acontece nas sextas e como era minha única sexta lá, fiz questão de ir. Era uma celebração onde eles cantavam lindos mantras e ofereciam flores e sentimentos num pequeno altar no centro da sala, parece que normalmente é feito com fogo mas como o calor estava absurdo resolveram fazer o de flores hoje. Todos sentaram no chão em volta do altar que tinha uma bacia onde as flores eram colocadas. Velas, incenso e mais flores enfeitando o altar (todas diretamente dos jardins do ashram). É uma celebração muito tranquila e bonita. Chama Deva Havan e durou quase uma hora. Voltei pra cozinha, jantei e teve outra atividade. Que também acontece todas as sextas. Essa chama Kirtan e é mais por diversão mesmo. Novamente nos sentamos no chão em torno do altar e cantamos vários mantras, dessa vez mais agitados. É uma roda de música entre amigos mesmo. Cada novo mantra era uma nova pessoa no harmonium e mais alguns instrumentos pra acompanhar que passavam de mão em mão entre todos. Até eu toquei um deles, uma espécie de mini prato de bronze que se prende aos dedos por elásticos e você bate um no outro. Foi muito divertido, relaxante e me deixou com uma paz gigantesca 😀

IMG_5966

O dia acabou mais tarde hoje por conta do Kirtan mas tenho a manhã de folga amanhã então tudo bem hehe. Maaass tenho que apagar a luz hehe.

Hari om _/\_

Outros posts sobre o ashram:

Obrigada pela visita pessoal 😀

M.

Anúncios

Diário do Ashram – Dia 2

10.12 – Quinta-feira

Acordei às 5 da manhã para a aula de yoga das 5:30, essa aula é bem tranquila, ótima pra começar o dia. Às 7am é servido o café da manhã e às 7:45 tem o Chanting que é basicamente a prática de cantos (mantras) em sânscrito. Uma pessoa toca um harmonium e canta uma frase sozinha, então todos repetem, esse ciclo dura uns dez minutos variando um pouquinho o ritmo. É lindo de ouvir e difícil de cantar haha.

IMG_5991

Às 8am nos reunimos no pátio para separar os grupos para cada trabalho. Durante uma hora todos participam do Karma Yoga que seria algo que evitamos de fazer no dia a dia, no caso do Ashram essa hora é usada para a limpeza e organização de áreas comuns, somente o grupo que vai para a fazenda que não participa pois vão direto pra lá. Eu limpei os banheiros da área da recepção junto com uma residente chama Yoga alguma coisa, não entendi direito sei que começa com yoga hehe. O nome de nascença dela é Fiona mas quando fez a iniciação, recebeu um nome em sânscrito. Aparentemente algumas pessoas mudam de fato, na justiça.

Às 9am nos reunimos novamente pra dividir os grupos de trabalho. Tem um rápida reunião onde algum residente explica algumas coisas (até mesmo da vida haha) e tira dúvidas – sobre o ashram, sobre yoga, meditação, qualquer coisa. Hoje quem falou foi a Rishi, uma senhorinha que fundou esse ashram junto com uma amiga lá no início dos anos 70. Segundo ela, a amiga divorciou do marido e com 19 mil dólares comprou essa terra. Haviam aqui laranjeiras e as barracas delas. A amiga então teve um sonho em que viu o ashram do jeitinho que ele é hoje 🙂

Rishi então nos convidou para uma tal de salty water party (festa da água salgada) que vai rolar no domingo de manhã. Ela chama de festa porque diz que depois da prática parece que você bebeu haha. Eu vou participar então conto melhor os detalhes no domingo mas basicamente é uma limpeza do sistema digestivo, bebendo água morna com sal intercalando com posições de yoga, idas ao banheiro e limpeza dos mucos. Ela contou que aprendeu essa técnica com o guru dela quando esteve na Índia em 1973.

Depois dessa reunião meu trabalho foi na manutenção da área externa. Basicamente varri e juntei folhas secas que estavam nas escadas, dutos e calhas. Não foi um trabalho pesado mas me tomou muita energia. O calor aqui é diferente da cidade, talvez a humidade ou altitude, sei lá (pausa pra contar que a Windy, uma menina da Malásia, veio aqui no quarto agora me dar um chocolate ❤ ). Enfim, trabalhei essa manhã com Scarlet, australiana de Melbourne. Ela acabou de se formar no ensino médio e ano que vem vai pra universidade cursar Direito pois quer trabalhar com causas humanitárias. Ela é muito querida, miudinha, careca, um sorriso lindo e um coração gigante. Acredito que vai conseguir o que sonha: mudar o mundo! ❤

IMG_5976

Depois do almoço meu trabalho foi housekeeping (limpeza e organização dos quartos/dormitórios, banheiros e áreas comuns). O grupo dessa vez era maior mas na subdivisão trabalhei com Domenico, um italiano gente buoníssima que assim como sua esposa, Francesca, largou um emprego estressante para viajar o mundo fazendo voluntariado. Aliás, várias pessoas aqui fizeram isso e toda vez que conto que estou aqui porque larguei o meu emprego também as pessoas ficam felizes e me dão os parabéns hehe (tão oposto ao que a maioria me diz, infelizmente). E o que dá de gente que vendeu tudo (casa, carro, móveis, tudo) pra de fato ir viver a vida não é brincadeira haha. Enfim, voltando aos italianos, ele era contador gerente e ela professora (doutora) de food design numa universidade [já coloquei dois vídeos dela aqui no blog clique aqui pra ver o post]. Agora vivem felizes mundo afora [no momento que escrevo esse post eles estão no Japão 🙂 ].

No meio da tarde teve o Yoga Nidra como de costume e na aula das 5:15pm teve meditação com a Vedika. Depois disso teve o jantar e ajudei na limpeza da cozinha, li mais um pouco e agora são quase 9:30pm, hora de dormir já hehe.

Boa noite 🙂

Outros posts sobre o ashram:

 

Obrigada pela visita pessoal 😀

M.

Diário do Ashram – Dia 1

Oi gente!

Esse é o primeiro post do diário que escrevi enquanto estive no Ashram, foram nove dias ao total. Se você não viu os posts anteriores clique aqui pra entender sobre o que estou falando 😉 Vou transcrever aqui exatamente o que escrevi no diário então algumas partes serão repetidas do que já disse no vídeo.

09.12 – Quarta-feira

Cheguei na hora do almoço. Na recepção, peguei o mapa do local junto com a programação das atividades e a roupa de cama. O local é enorme. Vários prédios de dormitórios e áreas comuns. Muita natureza.

IMG_5761

Meu quarto fica num dormitório no alto do morro, tem três beliches mas no momento somente eu e mais duas meninas nesse quarto. Na verdade mais uma porque Kendra, uma alemã, prefere dormir na barraca então só usa o quarto pra guardar suas coisas. A outra menina é a Nina, da Eslovênia.

IMG_5968

As vezes é confuso saber quem faz o que por aqui pois tem os voluntários, como eu, que podem ficar uma semana ou meses, tem os residentes, alguns moram aqui por mais de dez anos, os professores e estudantes de yoga e os visitantes que vem passar o dia, fim de semana ou pra algum workshop específico.

Após o almoço normalmente todos voltam ao trabalho mas como minha semana começa a contar a partir de amanhã eu tive a tarde livre. Todos os dias às 2:30pm tem yoga Nidra que é uma meditação guiada em que ficamos na posição savasana (deitado sobre as costas com as pernas levemente afastadas e os pés levemente inclinados pra fora, palmas das mãos viradas pra cima e braços levemente afastados do corpo). Dura 30 minutos. Logo após a yoga temos o chá da tarde (normalmente chá e frutas). Às 3:15pm todos voltam ao trabalho. Eu fui conhecer o rio pois o calor estava absurdo.

IMG_5758 IMG_5757

Às 5:15pm tem outra aula de yoga que perdi porque me enrolei pra chegar e a porta já estava fechada, amanhã conto como é. Às 6pm o jantar é servido. Todas as refeições são vegetarianas sempre com algumas opções veganas também.

Tem toda uma cultura de comunidade aqui, todos interagem, uma lindeza! No jantar sentei numa mesa baixinha dessas que você senta no chão e papeei com várias pessoas, dentre elas Kendra, a alemã, que falou comigo em português (!). Ela passou cinco meses no Brasil pegando carona e pedalando 🙂 Ela está viajando há uns seis anos e nunca faz planos. Conversei também com a Vedika (não tenho certeza como escreve, esse é o nome sânscrito dela, não sei o de nascença), ela é australiana e mora no ashram há anos,  e também conheci melhor uma família australiana, Will, Amy e seus lindos meninos Sammy, Franky e Tiago, sim! foi inspirado por um brasileiro que conheceram por aí. Eles aparentam ter idades entre 2 e 6 anos. O Will é um ex chef de cozinha, Amy não me disse o que costumava fazer, só me disse que assim como eu (e Will) largou um emprego estressante pra viver a vida (pena que pra mim foi só temporário, por enquanto haha). Ela ainda não mora aqui com os meninos, estão só visitando Will que está aqui há algum tempo já, mas vai vender a casa deles em Port Stephens e mudar pro ashram junto com ele e depois vão todos botar o pé na estrada. É muito legal ouvir as histórias de cada um e saber o que os trouxe aqui.

Depois do jantar e da limpeza da cozinha normalmente o tempo é livre, de vez em quando tem alguma atividade. Eu fui para uma das salas comuns pra ler. Às 8:30pm começa o Mouna que é a prática do silêncio e ninguém mais fala até às 7:30 da manhã do outro dia.

Agora são 9pm e vou apagar a luz pra Nina poder dormir haha, amanhã o dia começa às 5am 😮

Boa noite 🙂

Outros posts sobre o ashram:

Obrigada pela visita pessoal 😀

M.

%d blogueiros gostam disto: