Arquivo da tag: Fraser Island

Fraser Island – Lake McKenzie

Olá pessoal! Esse é o terceiro e último post sobre a Fraser Island. Hoje vou mostrar pra vocês o Lake McKenzie.

O nome do lago na língua aborígine é Boorangoora. Ele fica a 100 metros acima do nível do mar, cobre uma área de aproximadamente 150 hectares e tem um pouco mais de 5 metros de profundidade.

A areia do lago é constituída de sílica branca e pura, o que além de formar uma paisagem linda também torna a areia muito mais macia. A areia age também como filtro fazendo com que a água, que é somente água de chuva, seja tão pura que não é adequada para muitos animais. O lago não é alimentado por lençol freático e não deságua no mar. A água da chuva foi se acumulando com o passar dos anos e a areia e matéria orgânica na base do lago foram formando uma camada impermeável prevenindo que a agua da chuva fosse drenada.

O Lake McKenzie é um dos pontos mais populares da Fraser Island junto com o Eli Creek. Uma parada obrigatória pra quem visita a ilha 🙂

_DSC0416 _DSC0410 DSCN3282 _DSC0458 _DSC0421_2 _DSC0444_2

 

Para ver os outros dois posts sobre a Fraser Island clique nos links abaixo 😉

Fraser Island – A ilha, Dirigindo na areia, Dingoes & Naufrágio

Fraser Island – Wanggoolba Creek, Eli Creek, The Pinnacles & Indian Head

 

Obrigada pela visita pessoal 😀

M.

Anúncios

Fraser Island – Wanggoolba Creek, Eli Creek, The Pinnacles & Indian Head

Olá pessoal! Mais um post sobre a Fraser Island 😀 Para ver o primeiro post sobre a ilha clique aqui.

Começamos o dia pela trilha próxima ao camping que era na Central Station. A trilha, em mata fechada, era de nível fácil e cheia de plantas lindas e gigantes pra apreciar. Fomos até Wanggoolba Creek que é um local sagrado para o povo Butchulla. Hoje em dia o local é aberto ao turismo mas antes da chegada dos europeus esse era um local que poderia ser frequentado somente por mulheres, era onde elas tinham seus bebês. A água do rio é considerada sagrada então bebê-la é como uma benção dada pela natureza ❤ Nesse rio, banho não é permitido.

_DSC0097 _DSC0098 _DSC0099 _DSC0106 _DSC0113 _DSC0115 _DSC0118

Eli Creek é o maior rio da costa leste da ilha, ele deságua até 4 milhões de litros de água no mar por hora! A água gelada é uma delícia pra refrescar no calor que faz por lá. O local é ótimo pra fazer um picnic e passar o dia, super popular entre os visitantes. Tem uma trilha suspensa ao lado da água que vai mata adentro e no final dela você pode entrar na agua e se deixar levar pela correnteza até a praia.

 _DSC0197 _DSC0201_DSC0135 _DSC0141 _DSC0160 _DSC0178 _DSC0144

O The Pinnacles são penhascos de areia colorida na parte leste da ilha. Eles se formaram há centenas de milhares de anos quando minerais foram filtrados pela areia e foram expostos nas dunas. Com o passar dos anos, o vento e a agua então moldaram os penhascos no formato que vemos hoje. Foram contabilizadas até 72 tons diferentes de cores de variedades de amarelo, laranja, vermelho e marrom. A lenda aborígine sobre esses penhascos, que também são sagrados pra eles, conta a estória de uma mulher jovem chamada Wuru que foi prometida em casamento a um homem mais velho, Winyer, mas ela se apaixonou por Wiberigan, a serpente arco-íris. Wuru visitava a praia todos os dias para estar com Wiberigan, um dia Winyer a seguiu e num surto de ciúmes atirou seu boomerang nela mas Wiberigan a protegeu e foi acertado. Ele se despedaçou em milhares de pedaços que caíram sobre a areia colorindo os penhascos. Wuru escapou ilesa e a partir de então o The Pinnacles se transformou num local de sorte para mulheres.

_DSC0202 _DSC0204 _DSC0206

_DSC0210

PERIGO. Um dingo agressivo frequenta essa área

 

O Indian Head é a ponta mais ao leste da ilha. Fica no final da 75 Mile Beach (que é a praia comprida que serve como estrada). Foi nomeada pelo Captain Cook quando ele passava por lá e avistou alguns aborígenes no alto do penhasco. Foi criada por atividade vulcânica há aproximadamente 50-80 milhões de anos atrás. Do alto da Indian Head podemos ter uma visão de  360° e é bem comum avistar animais marinhos lá do alto. Nós vimos um tubarão e tartarugas marinhas.

_DSC0237 _DSC0241 _DSC0252 _DSC0277 _DSC0291

Nem preciso comentar que a Fauna e Flora da ilha são incríveis né?! Tem muitas, mas muitas, espécies diferentes por lá e a cada passo você avista algo diferente pra apreciar. Nesse dia vimos essa águia linda que tinha acabado de garantir seu almoço. E mais dingoes claro 😀

_DSC0330 _DSC0218 _DSC0222 _DSC0226

Um videozinho pra mostrar melhor nosso dia 😀

Senta que lá vem historia…

Uma história engraçada desse dia. Era dia 25 de dezembro e queríamos preparar um jantar de Natal. Fomos no mercadinho na vila próxima ao camping (próxima que eu digo seria uma meia hora de carro porque próximo mesmo era só mato haha), vi uma plaquinha na frente de uma casa dizendo que vendiam camarões, fomos eu e Clélia lá comprar alguns. O tiozinho simpático mandou a gente entrar e foi pegar a balança pra pesar, acabou que passou um meio quilo mas ele tava mais preocupado me explicando o jeito que eu devia preparar os camarões e em papear que acabou nos dando o excesso de presente 🙂 Ele me disse que eu deveria deixar os camarões de molho em água do mar por um tempo e depois servir com limão e pimenta. Como eu não tinha como pegar a agua ele ainda me deu um baldinho pra ir la buscar. Clélia foi encontrar o Dani e o Ronaldo no mercado e eu fui ate a praia com o baldinho em uma mão e a sacola de camarões na outra. A vila fica bem próxima da praia mas é cercada para os dingoes não entrarem lá, tem só um abertura para os carros. Enfim, tinha que caminhar um pouco até chegar na água. Peguei o tanto que precisava e quase chegando no portão da vila parei pra colocar os camarões na água ali mesmo. De repente eles chegam apavorados pra que eu entrasse no carro, eu achando que era devido ao horário, estava escurecendo e seria mais difícil voltar pro camping naquelas estradas de areia no escuro, fui andando em direção ao carro pensando “poxa espera um minutinho, só queria por os camarões ali pra já ir marinando #xatiada” hahaha. Quando entrei no carro me mostraram o dingo do outro lado do carro de cabeça baixa, orelhas pra cima e pelos arrepiados pronto pra me atacar. Eles chegaram na hora certa! E fui salva de levar umas belas de umas mordidas. Por isso repito: ande em grupos e de preferência não de bobeira com comida haha.

O mercadinho da vila

O mercadinho da vila

Comprando os camarões

Comprando os camarões

Simulação hahaha

Simulação hahaha

O tal risoto :P

O tal risoto 😛

_DSC0386

Ainda tem mais um post sobre a Fraser Island, nesse mostro o encantador Lake McKenzie!

Obrigada pela visita pessoal 😀

M.

Fraser Island – A ilha, Dirigindo na areia, Dingoes & Naufrágio

Olá pessoal!

Chegou a vez da Fraser Island. Uma linda ilha onde ficamos por quatro dias 🙂

A Fraser Island faz parte do estado de Queensland, mais ou menos 200km ao norte de Brisbane, tem aproximadamente 120km de comprimento e é a maior ilha de areia do mundo! Ela se estende até 500 metros abaixo do nível do mar. Incríveis florestas que crescem apenas na areia (!), lagos de água doce e dunas de areia fazem da ilha um local excepcional, tanto que em 1992 ela foi declarada patrimônio mundial da UNESCO.

Imagem: domínio público “https://commons.wikimedia.org/wiki/File%3AFraser_Island.png”> via Wikimedia Commons

História

O nome original da ilha é K’gari (se pronuncia ‘Gurri’) que significa ‘paraíso’. O nome foi dado pelos nativos da tribo Aborígine Butchulla (se pronuncia ‘Badt-jala’) que viveram lá por aproximadamente cinco mil anos. Infelizmente, em 1840 os europeus resolveram colonizar a ilha e causaram um desastre imenso para o povo Butchulla, sobrecarregando o estilo de vida deles com armas, doenças e escassez de comida (basicamente o que fizeram no Brasil com os índios). A população que antes chegava a até 3000 habitantes nos meses de abundância de alimentos caiu para 300 pessoas em 1890, apenas 50 anos! A maioria dos Aborígenes que sobreviveram deixaram a ilha em 1904 e foram realocados em missões em Yarrabah e Durundur, Queensland. Mas hoje, felizmente, podemos encontrar vários locais sagrados que ainda são preservados na ilha, como os quase 500 sites arqueológicos indígenas na região. Em Outubro de 2014, Direitos para Nativos foram garantidos para os Butchulla pela Côrte Federal. Isso permite que eles possam caçar, pescar, usar a água para fins domésticos e estabeleçam negócios relacionados com ecoturismo.

Voltando ao nome da ilha. De acordo com a lenda aborígene, quando os humanos foram criados e precisavam de um lugar pra viver, o deus Beiral enviou a deusa K’gari e o mensageiro Yendingie do paraíso para que criassem terras, montanhas, rios e mares. K’gari se apaixonou pela beleza da terra e não quis retornar ao paraíso. Então Yendingie a transformou numa ilha paradisíaca! ❤ Mas infelizmente os invasores de terras tem essa péssima mania de mudar os nomes originais para o de suas línguas e então passaram a chamar a ilha de Fraser em homenagem a Eliza Fraser, que foi a sobrevivente de um naufrágio em 1836.

Acesso

O acesso á ilha se da por meio de balsa ou avião. Dentro da ilha somente veículos 4×4 conseguem se locomover, ás vezes nem esses haha. Você pode usar seu próprio veiculo, alugar algum nas muitas empresas de aluguel próximas á ilha ou comprar um tour de ônibus (que também é 4×4).

Como nosso carro é muito baixo pra aquele tanto de areia, nós alugamos um Jeep mais adequado pra ilha. A empresa que escolhemos foi a Fraser Dingo 4wd Hire e o pacote de 4 dias foi o 4 Day Hire. Eles tem pacotes somente do aluguel de carro, carro + acomodação em hotel, carro + camping, etc. Confira todos aqui.

Para alugar o carro você deve fazer a reserva com antecedência (se for no verão tente reservar o quanto antes pois a procura é grande). Você paga 30% do valor total na hora da reserva e o restante quando pega o carro. Na hora do pagamento restante também é feito um depósito de segurança no cartão de crédito de $1200 – $1500 dependendo da quantidade de dias. Esse valor fica como pendente e caso você estrague o carro o valor é debitado pra cobrir os gastos.

Quanto:

  • Pacote para 4 dias (balsa inclusa) – $910  ($56.88 por pessoa / por dia)
_DSC0006

O Jeep, o nome dele era RED 🙂

_DSC0056_2

A “estrada”

Acomodação

O principal tipo de acomodação é acampamento. Contudo existem alguns hotéis e albergues por lá, assim como casas inteiras para aluguel de temporada (o que sai extremamente caro).

Tipo de acomodação: Acampamento na Central Station

Valor: Três noites para 1 barraca / 4 pessoas – $69 ($5.75 por pessoa / por noite)

Mapa

Clique na imagem para visualizar o mapa

Clique na imagem para visualizar o mapa

Naufrágio

Uma das principais atrações na ilha é o naufrágio do navio SS Maheno. Ele foi construído na Escócia em 1905 como um luxuoso cruzeiro Trans-Tasman. Durante a primeira guerra mundial ele serviu como um navio hospital no Canal Inglês, e então foi devolvido aos donos para uso comercial. Em 1935, ele foi retirado do mercado e vendido a um japonês para desmanche. Enquanto estava sendo guinchado para Osaka para ser destruído, ele entrou em um ciclone próximo a costa de Queensland, as correntes arrebentaram e ele foi parar nas areias da Fraser Island. Durante a segunda guerra mundial o navio serviu como alvo de bombas para prática das Forças Especiais da Austrália que treinavam na ilha.

_DSC0047_2 _DSC0050

 

Dingo

Os Dingos são cachorros selvagens que habitam a Austrália e a Fraser Island é um dos poucos lugares que podemos vê-los na natureza. Eles são de porte médio e magros, normalmente não são tão agressivos com adultos mas devido aos maus hábitos de turistas os alimentarem eles podem atacar para roubar comida. Sempre ande em grupos e NUNCA deixe uma criança desacompanhada na ilha, já houveram alguns casos de crianças atacadas e mortas por grupos de dingos. Tome cuidado com seus alimentos e lixo, mantenha tudo seguro dentro da barraca ou em caixas plásticas fechadas. E jamais alimente os animais selvagens, isso prejudica muito a capacidade deles de caça e os tornam agressivos. Nos meses de inverno, por exemplo, a quantidade de turistas cai e se algum animal não aprendeu a caçar porque recebia comida das pessoas ele pode morrer de fome nos meses em que não há tantos visitantes.

_DSC0063 _DSC0071 _DSC0073 _DSC0085

Esse post foi para informações gerais sobre a ilha e sobre nosso primeiro dia lá. Ainda tem mais dois dias de fotos e vídeos 🙂 (o quarto dia foi basicamente desmontar a barraca e voltar pro continente hehe).

Para ver os outros dois posts sobre a Fraser Island clique nos links abaixo 😉

Fraser Island – Wanggoolba Creek, Eli Creek, The Pinnacles & Indian Head

Fraser Island – Lake McKenzie

*Lembrando que todos os valores e informações são somente para referência. Para informações atualizadas por favor visite as paginas citadas no post.

 

Obrigada pela visita pessoal 😀

M.

%d blogueiros gostam disto: